Jardim dxs deusxs: terceiro domingo do Advento

“Porque, como a terra produz os seus renovos, e como o jardim faz brotar o que nele se semeia, assim o Senhor DEUS fará brotar a justiça e o louvor para todas as nações.” Isaías 61:11

Gosto da Bíblia. Suas metáforas são sempre recheadas de natureza, flores, árvores, riachos, sementes… Triste é a transformação da poesia em algo moralista, frio, sem imagens, sem cheiros e corpos. Matamos Deus quando o esvaziamos de sua Beleza e Poesia. Um Deus sem poiésis é um ídolo sem vida, sem criação, sem Graça.

Acender a terceira vela desse Advento não será uma coisa muito fácil. Como se alegrar com tantas violências, mortes e descasos nesse Brasil de 2020? Ousadx é aquelx que ora pedindo os olhos divinos, o coração do Sagrado, pois sentir a dor do mundo é um desafio em uma sociedade fria e sem compaixão. Mas buscar o Reino, esperar esperançando, é ter a fé naquilo que ainda não vemos, é construir e plainar os caminhos para os passos do Amado dançar, e aceitar o convite de entrar nessa roda.

A oração para esses tempos é:

“Senhor, restaura-nos, assim como enches o leito dos ribeiros no deserto. Aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria colherão. Aquele que sai chorando enquanto lança a semente, voltará com cantos de alegria, trazendo os seus feixes.” Salmos 126:4-6

As oração regadas de lágrimas são sementes do jardim dxs deusxs. A lógica do Reino de Deus é o jardim, é uma agroecologia diversa, saudável, onde não há competição e sim criação de vida, potencialidades, sabores, aromas e formas, que alimenta nosso ser inteiro do arroz e flores. Alegrem-se! Diz a Palavra Viva. E lembrem-se:

>> cultivar a espiritualidade é como cuidar das plantas de nosso jardim. a rotina diária da rega e poda não basta. sempre um novo desafio aparece. não sabemos de onde surgem os ácaros, percevejos, pulgões, fungos, mas sabemos que eles, inevitavelmente, vêm. então, outros cuidados devem ser praticados: borrifar misturebas, adubar com humus de minhoca, assim por diante… chega uma hora que nossa espiritualidade se infesta por pragas, que muitas vezes nem percebemos, até que mexemos e remexemos em nós mesmos e tudo começa a fervilhar, pular, voar. não há receita, método, fórmula. cultivar é conhecer, experimentar o sol, o vento, a sombra, os alimentos…meister eckhart talvez entendia de plantas por orar: deus, livrai-me de ti. a espiritualidade do cultivo é romper sempre consigo mesmo, com as nossas certezas, com nosso pensar. borrifar misturebas quando preciso, cortar folhas doentes, adubar com o que parece lixo. e o cultivo é sempre em comunidade. assumir a impotência e pedir ajuda para os mais experientes. desapegar de si, de deus, da teologia, e experimentar de uma maneira livre. sentir do cheiro de lavanda pela manhã e beijar a aurora com os lábios de deus. as pragas sempre vêm, e sempre aprendemos a lidar com elas. <<

Alegrem-se, pois Ele vem… e nós vamos juntos. Construindo alegrias, resistindo com o sorriso e a ternura, com os afetos. A justiça, o amor, a Vida e a alegria brotam nesse Advento.

“Eu já visitei o jardim dos deuses mais de uma vez
Em busca do prazer e da paz,
Mas tudo que eu encontrei
Desapareceu depois que eu voltei
E eu nunca me esqueci do perfume do jardim
Mas não vou ficar triste na lembrança do que passou,
Vou encontrar o amor aqui mesmo
E se um dia eu voltar ao jardim dos deuses
Uma vez mais, não quero nem saber,
Nada me fará sair
De lá”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s